O trabalho árduo do descondicionamento

zen es zazen

Por Monge Kômyô

“(…) A experiência zen,  em geral se manifesta para dar uma rasteira na gente. Por que isso? É alguma perversidade? Não. O objetivo no Zen é tentar desestabilizar a falsa idéia que o nosso eu tem de que está no controle e que tudo tem que se adaptar às nossas expectativas. O trabalho contemplativo é um trabalho árduo de descondicionamento. Portanto, num retiro, o primeiro convite que eu faço a todos é: simplesmente observem a si mesmos. Diante dos desafios, das situações, do próprio movimento durante o sentar e fazer zazen, observem a si mesmos. Não tentem controlar, até porque vocês não vão conseguir. Observem. Esse é o primeiro passo. O primeiro passo é reconhecer a si mesmo. O silêncio, a introspecção, ela ajuda a estabelecer esse meio, para que possamos reconhecer melhor quem nós somos. Sem culpa, sem recriminação, sem crítica, só reconhecer. Já aí temos um grande desafio (…)”.

Excerto retirado do blog “O pico da montanha é onde estão os meus pés”, de Monge Genshô.

Leia o texto completo em http://www.opicodamontanha.blogspot.com.br/2014/10/o-trabalho-arduo-do-descondicionamento.html

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑