> Shobogenzo Zuimonki (38) – Livro 2 Parte 16

Um antigo sábio comentou, “Se eu aprendesse o Caminho pela manhã, não me importaria de morrer à tarde.” Estudantes do Caminho deveriam ter esta mesma atitude. Ao longo de eons de vida-e-morte, quantas vezes nascemos e morremos em vão? Se não salvamos a nós mesmos, quando, por uma rara oportunidade, nascemos [em um corpo humano] e temos a possibilidade de encontrar o buda-darma, quando seremos (capazes de salvar a nós mesmos)?

LIVRO 2

2-16

Em uma palestra vespertina, Dogen disse:

     Um antigo sábio comentou, “Se eu aprendesse o Caminho pela manhã, não me importaria de morrer à tarde.” Estudantes do Caminho deveriam ter esta mesma atitude. Ao longo de eons de vida-e-morte, quantas vezes nascemos e morremos em vão? Se não salvamos a nós mesmos, quando, por uma rara oportunidade, nascemos [em um corpo humano] e temos a possibilidade de encontrar o buda-darma, quando seremos (capazes de salvar a nós mesmos)? Mesmo que valorizemos nosso corpo e cuidemos dele com carinho, não podemos mantê-lo para sempre. Abandonar nossa vida − a qual, mais cedo ou mais tarde, deveremos deixar para trás −, mesmo que seja apenas por um dia ou por poucos momentos pelo bem do buda-darma, certamente será a causa da felicidade eterna.

       É lamentável passar nossos dias e noites inutilmente pensando sobre nosso sustento de amanhã sem deixar de lado o mundo que deveria ser deixado de lado, sem praticar o Caminho que deveria ser praticado. Apenas decida-se a aprender o Caminho e morrer hoje. Se você não tem os materiais para manter sua vida até amanhã, não importa se você morrer de frio ou fome. Antes de qualquer coisa, desperte tal determinação. Ao fazer isso, você será capaz de praticar o Caminho sem falhar.

       Sem este tipo de aspiração, você será incapaz de obter o Caminho, independentemente dos milhões de anos ou milhares de vezes na vida-morte você praticar. Se você continuar praticando ostensivamente o buda-darma, mas secretamente se preocupar com coisas tais como roupas para o inverno ou verão e o sustento para amanhã ou para o próximo ano, então apesar da aparência de estar praticando o Caminho em oposição ao mundo ordinário (é igualmente inútil). Pode ser que tal pessoa exista, mas, até onde sei, tal atitude não pode estar de acordo com os ensinamentos dos budas e ancestrais.